LEVE A SÉRIO ESTA ADVERTÊNCIA!

Por Nonato Souza

“Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem; e todos passaram pelo mar, e todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar, e todos comeram de um mesmo manjar espiritual, e beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo. Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto. E essas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram” (1Co 10.1-6).

 

No capítulo 10 da carta aos Coríntios, Paulo dá sequência às suas argumentações exortativas acerca do estilo de vida disciplinada que deve o cristão preservar, buscando sempre glorificar a Deus, deixando todo e qualquer peso de pecado capaz de impedi-lo na caminhada da fé. Tendo crido em Cristo, deve o cristão cultivar o padrão do Evangelho em uma vida cristã autêntica que não se deixa levar com argumentos falaciosos de pessoas descompromissadas com a Palavra de Deus.

No capítulo 8 e 9 o apóstolo Paulo mostra com clareza que os cristãos precisam exercitar a autodisciplina evitando, assim serem reprovados. No capítulo 10, mostra com exemplos claros esta possibilidade. Ele usa o fracasso da nação de Israel, uma nação que gozou de muitos privilégios, mas, que se tornou arrogante e pecadora diante de Deus, sendo culpada de abomináveis provocações tendo por este motivo, sofrido dolorosa punição.

Paulo inicia o capítulo chamando atenção para a grave punição que sobreveio à nação de Israel não obstante os sinais externos e privilégios experimentados. Eles foram tirados do Egito milagrosamente, assim como os crentes que foram libertados da escravidão do pecado pelo sacrifício de Cristo Jesus (Rm 5.8,9). Identificaram-se com Moisés quando passaram pelo mar, símbolo do batismo, assim como os cristãos se identificam com Cristo pelo batismo. Comeram manjar espiritual e beberam de uma fonte espiritual, assim como os cristãos se alimentam do corpo e sangue de Cristo. Esses privilégios, no entanto, não poupou o povo de Israel de fracassar espiritualmente. Apóstolo Paulo diz: “Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto” (10.5).

Observa-se que o texto diz claramente “a maior parte deles”, isto porque daqueles seiscentos mil homens, fora crianças e mulheres, que saíram do Egito apenas dois, Josué e Calebe, sobreviveram para entrar na terra prometida, todos os demais ficaram prostrados, esparramados por todo aquele deserto. Esse assombroso acontecimento com a nação de Israel é tomado pelo apóstolo Paulo para admoestar os cristãos de sua época e em todos os tempos a não proceder como eles em suas atitudes, pois, certamente fracassariam em suas vidas espirituais.

A autoconfiança dos cristãos coríntios levou Paulo a adverti-los sobre o que poderia acontecer com eles caso se apegassem demasiadamente a sua confiança, fazendo mau uso da sua liberdade em Cristo. Este fato levou o apóstolo dos gentios a lembrá-los que não deveriam cobiçar tais coisas más como eles cobiçaram (v. 6), passando a relacionar alguns pecados graves cometidos pelos israelitas que estavam ameaçando a igreja de Corinto e, que, é um mau, que se praticado pelos crentes em qualquer tempo, trará graves prejuízos.

Paulo pontua graves pecados cometido pelos israelitas que nos serve como advertência contra pecados que podemos cometer e que, certamente, ferirá a santidade de Deus, recebendo assim, mais severa punição. Ele diz: “Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram” (1Co 10.6, ARA, ênfase acrescentada). Veja que o povo de Israel buscou sempre satisfazer sua própria vontade e nunca a vontade de Deus. Nunca conseguiu exercer um autocontrole sobre sua vontade o que sempre resultava na satisfação dos seus próprios desejos. Nada lhe satisfazia. Deus lhe dava maná, mas ele queria carne, lhe dava carne, mas queria as comidas do Egito. Tudo o que era necessário para seu sustento no deserto Deus provia, mas nunca estava satisfeito, sempre cobiçava mais. Era uma nação que ansiava sempre por mais até que começaram cobiçar coisas ruins.

Assim, também, acontece com os filhos de Deus. Embora tendo a promessa das bênçãos de Deus em Cristo Jesus, começamos a cobiçar coisas ruins. Isso vai aumentando em nosso coração á medida que temos uma vida de insatisfação. Nada, absolutamente nada nos satisfaz e começamos, então, a buscar o que é mau. A consequência é a destruição. O experiente teólogo Matthew Henry é enfático: “Desejos carnais conseguem predominar através da tolerância e, consequentemente, devem ser percebidos e controlados em seu primeiro aparecimento: se eles prevalecerem uma vez, e tiverem influência sobre nós, não saberemos para onde nos levarão” [1].  Exatamente o que aconteceu com a nação de Israel e pode acontecer, também, com o cristão, caso não haja domínio próprio e vigilância constante.

 

[1] HENRY. Matthew, Comentário Bíblico Novo Testamento. Atos a Apocalipse. Edição Completa. 2ª Impressão. Rio de Janeiro: CPAD. 2010, pg. 469.

Uma resposta para “LEVE A SÉRIO ESTA ADVERTÊNCIA!”

Comente: